***VOL. 3, Nº 014 / 2021 – 03/05-30/05 (FELICIDADE) *Cultura Anísio Pereira

Os Pequenos – e Felizes – Detalhes

Anísio Pereira

O ser humano é marcado por uma gama de sentimentos ao longo de sua vida, em que cada um deles não perdura de forma constante. A todo momento, mas de maneira revezada, um cede espaço ao outro; o que é próprio das condições históricas e sociais que permeiam o sujeito, uma vez que o projeto central de seu modo de vida é a conquista da felicidade. Mas, o que é a felicidade? É um conceito complicado de se decifrar, pois ser feliz implica em o ser de várias maneiras. Cada um se sente feliz de uma forma – por uma conquista social, um amor correspondido, faculdade, emprego, dinheiro (enfim, a conquista de um projeto de vida parece povoar o sujeito de felicidade plena); porém, como conquistar essa tão almejada felicidade?

Ser feliz não é tão simples como se imagina. Será que alguém é continuamente feliz? Trata-se de um estado de espírito que nos parece ser feito de momentos. Estar feliz significa um estado passageiro. A felicidade tende a se escapar de um laço duradouro e fugir, para dar entrada a outros sentimentos opostos a ela: tristeza, raiva, desânimo etc. Desta forma, ainda que o sujeito busque ser feliz por completo, o sentimento sempre escapa de suas mãos pela ausência de algo. É a lei da (in)completude do sujeito, proposição que pode ser encontrada na teoria discursiva de Michel Pêcheux. Assim, a felicidade habita por momentos, porque em se tratando de uma completude, esta parece não ser possível – algo sempre falta, sendo algo da ordem do inconsciente.

Ainda que o material influencie no sentimental, o “ter” (na lógica do capitalismo contemporâneo) parece superar o “ser”, em que certamente é feliz quem possui conquistas materiais em detrimento de outros aspectos humanos. Ainda assim, há maneiras mais plenas de se buscar a tão sonhada felicidade, pois as dimensões espiritual, emocional, afetiva e social são elementos integrantes desse pacote que constitui a felicidade – e, apesar de parecer-nos tão custoso ser feliz, a felicidade sempre vai e volta nos pequenos detalhes.

Anísio Pereira

Doutorando em Estudos Linguísticos
Professor
Escritor
Facebook / Instagram / LinkedIn / Lattes

Posts Relacionados